quinta-feira, 8 de novembro de 2007

 

KYUDÔ: A mensagem de amor de Maitreya

Paulo Stekel


[Imagem de Miroku, a versão japonesa do Bodhisattva Maitreya, o Buda do Futuro]

Considerações iniciais

Quase ninguém sabe o que é Kyudô até participar de uma cerimônia de iniciação. Mas, muitos já ouviram falar de Maitreya, o Buda do futuro, uma crença do Budismo Mahayana. Há uma conexão íntima entre ambos.

Nós mesmos fomos convidados várias vezes para participar da Cerimônia do Kyudô, mas por vários motivos, não tínhamos conseguido encaixar horários. O convite nos fôra feito por Jorge Leles, especialista em Geobiologia, articulista da Revista Horizonte – Leitura Holística e amigo pessoal (e espiritual) nosso. Na verdade, precisamos ser convidados e “apadrinhados” por alguém que já recebeu o Kyudô para que também o recebamos. Isso tem a ver com a idéia de conduzir os outros à salvação sob a proteção de Maitreya.

Uma rápida pesquisa na Internet revelou quase nada sobre o assunto. Por incrível que pareça, em plena era da Internet, uma organização espiritual internacional ainda consegue manter seu trabalho de modo praticamente oral, o que, talvez, seja um de seus segredos. Só encontramos uma matéria específica sobre Kyudô em um website indiano. Em Português, nada. Este artigo é praticamente o primeiro. Solicitamos autorização para escrevê-lo ao final da cerimônia de iniciação do Kyudô e a recebemos, desde que não revelemos os segredos pertinentes à iniciação em si. Respeitando esta ressalva, informaremos aos leitores da Revista Horizonte – Leitura Holística em primeira mão e aos interessados em geral, o que é a tão comentada, interessante e bem-vinda “Cerimônia do Kyudô”.

O ritual

Por motivos especiais, temos muito cuidado ao participar de certos eventos religiosos, principalmente aqueles em que esteja envolvido o recebimento de “iniciações”. Não por medo ou preconceito. Pelo contrário: pelo compromisso que uma iniciação gera em nós. Somos convertidos ao Budismo Vajrayana e aprendemos que uma iniciação não deve ser tomada de forma irresponsável, superficial, apenas para amealhar títulos ou “poderes”. Uma iniciação é algo muito sério. Envolve um recebimento de energia espiritual e um compromisso de utilizá-la corretamente, sem displicência nem desrespeito.

Sendo assim, quando nossa intuição deu o aval para que participássemos da Cerimônia do Kyudô, tínhamos tudo isso em mente. Mesmo praticando o Budismo, somos universalistas, mesmo porque a Doutrina de Buda não é sectária nem proibe os estudantes de conhecer outras práticas. A experiência deve ditar a escolha. Por isso há cristãos que praticam o Budismo, há judeus budistas, espíritas budistas e assim por diante. Portanto, o Kyudô não nos é interdito.

O ritual foi realizado no Espaço Maitreya, em Porto Alegre, no dia 21 de outubro de 2007. Sua orientadora, a Reiki Master Rejane Basso, é também uma universalista e nos recebeu com muita gentileza.

A Cerimônia do Kyudô foi conduzida pela Profa. Kazuko Kato, representante no Brasil da organização japonesa Dootoku Kaikan, e mais dois auxiliares, todos da Dootoku Kaikan do Brasil, com sede em São Paulo.

Uma mesa com incensos, velas, frutas, flores, imagem de Miroku (o Buda Maitreya, em japonês) e outros acessórios foi preparada para o evento. O ritual se assemelha a cerimônias hinduístas e budistas, ainda que a Profa. Kato tenha esclarecido não se tratar de religião, nem de Budismo, nem de Hinduísmo, nem de nenhuma outra religião.

Durante a cerimônia foram apresentados os três “segredos do Céu” os quais, obviamente, não podemos revelar. Isso acontece porque uma iniciação tem sua própria estrutura, e a plena energia que contém só pode ser recebida, sentida e compreendida quando se recebe certas informações cruciais em seu decurso. Fora dele, incorremos em “profanação”, ou seja, vulgarização e desrespeito. Mas, fiquem tranqüilos. A cerimônia toda é muito bonita, além de ter um propósito claro: a felicidade suprema de todos os seres.



[O altar preparado para a Cerimônia do Kyudô]

O Buda Feliz e a origem do Kyudô

A imagem do Buda Feliz barrigudinho é conhecida de muita gente há décadas. Mas, quem já ouviu falar de uma organização que o adora como uma deidade, prega sua encarnação na Terra como um futuro salvador e promove uma cerimônia para divulgar a sua mensagem de amor, paz e felicidade?

Miroku, em japonês, Maitreya Buddha, em sânscrito, é um “santo” (bodhisattva), também chamado “o Deus da revolução” e “o Deus que mudará o mundo”. Estamos falando do Buda Feliz barrigudinho, que muitos conhecem. O personagem é venerado como parte de uma antiga tradição de 5 mil anos, na chamada “Cerimônia do Kyudô”, que se originou na China.

A tradição e a cerimônia existem no Brasil já há 24 anos, segundo a Profa. Kato, tendo chegado aqui através de uma organização japonesa chamada Dootoku Kaikan, aqui denominada “Dootoku Kaikan do Brasil”, com sede em São Paulo. Pelo fato da divulgação ser feita basicamente de boca-a-boca, quase nada se vê publicado sobre o assunto.

Tendo o Buda Feliz (originalmente, um monge chinês associado a Maitreya) como sua principal deidade, os membros da organização pregam a mensagem de paz e amor através da antiga Cerimônia do Kyudô. A organização tem 27 centros em diferentes países, com 20 filiais só no Japão.

Kyudô, em japonês, significa “procurar dentro”. A lenda sobre a cerimônia do Kyudô data de cerca de 5 mil anos atrás, quando o Imperador da China, Fukugi, recebeu uma mensagem divina instando-o a iniciar a divulgação de uma mensagem de amor, paz e felicidade. Desde então, houve 64 mestres na linhagem. Se diz que, fora estes 64, a Índia sozinha teve 28 mestres na tradição, um deles tendo sido Gautama Buddha, o fundador do Budismo.

A organização Dootoku Kaikan acredita que o Buda Feliz ou Maitreya surgirá como a última encarnação da Divindade a aparecer na Terra, e redimirá a humanidade de todo o mal e sofrimento (como se diz o mesmo do Kalki Avatara, entre os hindus). Se diz que o Buda Feliz ficou orando incessantemente em uma vida anterior e suas preces o habilitaram a manter uma ótima conexão com outros seres superiores e a iluminar almas. Ele foi finalmente investido de poder pelo Deus supremo para ascender como o Salvador no Kaliyuga (a atual Era Escura, a Era de Kali), passando a ser auxiliado pelos deuses e mestres neste trabalho.

Acredita-se, ainda, que o Buda Feliz anunciará um novo mundo. Para ser parte deste novo mundo, devemos passar pela Cerimônia do Kyudô, que assegura a salvação. Para a Dootoku Kaikan, a Cerimônia do Kyudô não é uma religião. Ela apenas divulga a mensagem do Caminho para o Deus interno ao invés de adorar o Deus externo.

Quanto ao significado e importância da cerimônia, ela nos aproxima de Deus e do Céu, bem como do estado chamado Sentendaidô, ou a Verdade Absoluta que criou o céu, a terra, os humanos e todos os seres.

A Cerimônia do Kyudô se fixou no Japão depois de ter sido introduzida por um mestre chinês, em 1944. Após seu falecimento, Oshima Senshi Zennin promoveu a Cerimônia do Kyudô no Japão. O atual mestre da Dootoku Kaikan, que propaga a Cerimônia do Kyudô, é Okubo Zennin. Ele vive na sede da organização, em Nagóia, Japão.

Conforme a Dootoku Kaikan, a Cerimônia do Kyudô promete ser o mais fácil caminho para se atingir a Iluminação, com a graça do Buda Feliz ou Maitreya Buddha. O lema principal do Kyudô é purificar o indivíduo de sua negatividade e de seus pecados interiores, e espalhar a mensagem de amor e tolerância entre os homens. As pessoas que se iniciam no Kyudô relatam atingir um estado de calma e de mudança positiva em sua personalidade.



[O altar do Espaço Maitreya, em Porto Alegre - RS]

O Sentendaidô

Transcreveremos alguns trechos de um folheto informativo da Dootoku Kaikan do Brasil que nos foi passado pela Profa. Kato, e que esclarece alguns pontos sobre o Kuydô e o Sentendaidô:

“Todos nós tivemos a oportunidade de fazer o Kyudô através do convite da própria família, de parentes ou de amigos, sem ter muito conhecimento sobre o Kyudô. Tal oportunidade porém, não é conseguida por acaso. É conseguida por uma ligação profunda que temos com a Divindade. (...)”

“O Sentendaidô não é uma religião. Existem, atualmente, milhares de religiões ou seitas no mundo mas, a grande maioria delas é a ramificação das cinco principais religiões, a saber: Taoísmo, Confucionismo, Budismo, Cristianismo e Maometismo.


O Taoísmo foi fundado por Lao-Tsé, o Confucionismo por Confúcio e o Budismo por Buda. (...) O Cristianismo foi fundado há 2.000 anos por Cristo (...). O Maometismo foi fundado há 1.300 anos por Maomé (...). Todos esses cinco grandes Santos do passado conseguiram atingir a Iluminação e deixaram seus ensinamentos (...).

De que maneira então, os Santos conseguiram atingir a Iluminação?

Todos eles obtiveram o Sentendaidô através do Kyudô, conseguindo a abertura da 'porta secreta da alma', aprimoraram-se por esse local sagrado e, finalmente, atingiram o 'estado de luz'. Portanto, se não fosse pelo Sentendaidô, não existiria nenhuma religião na Terra.


Em suma, o Sentendaidô não é uma religião, é sim, a origem das religiões.”

“Quase todas as pessoas conhecem as cinco principais religiões. E por que quase ninguém tem conhecimento sobre o Sentendaidô? Porque o Sentendaidô era um 'tesouro secreto' que, desde os tempos remotos até hoje, veio sendo transmitido somente de um mestre para apenas um discípulo. Por isso, para todos os cinco grandes Santos também não era permitido transmití-lo para mais de um discípulo.”


“Somente fazendo o Kyudô serão salvos tanto nosso corpo como nossa alma? Através do Kyudô, tivemos a oportunidade de religar o elo com a Roobo-Sama [a Grande Mãe]. Portanto, quando a nossa vida estiver em perigo, receberemos a proteção divina. E, como já nos foi indicado o verdadeiro caminho de volta para a origem, quando chegar a hora derradeira, nossa alma poderá, com certeza, retornar ao Riten, ou seja ao Paraíso, que é a nossa verdadeira origem. (...)”

“Por que, atualmente, o Sentendaidô está sendo transmitido para o mundo inteiro? (...) Porque estamos agora numa época muito especial, que nem se pode comparar com quaisquer épocas pelas quais a humanidade já passou.


Em primeiro lugar, estamos vivendo numa época em que ocorrerão 81 grandes catástrofes devido à decadência moral e espiritual do mundo. (...)

Por que surgirá a grande Catástrofe?

Se falarmos em termos de um ano, estamos numa época que equivale à estação do outono, a época da colheita. Diz-se que já se passaram 60 mil anos desde que o primeiro homem veio para este mundo e, durante esse período, viemos nascendo e morrendo repetidamente, plantando muitas 'sementes' quer sejam boas ou ruins.


(...) estamos numa época em que devemos fazer o 'acerto de contas' dos últimos 60 mil anos, isto é, devemos receber todas as conseqüências dos próprios carmas. Por esse motivo, haverá uma grande catástrofe para eliminar elementos ruins, que cometeram muitos pecados, sujando a verdadeira alma dada pela Roobo-Sama. Mas, (...) existem ainda pessoas dignas e honestas (...). E, para salvar o maior número possível dessas pessoas é que a Roobo-Sama, com grande misericórdia, autorizou que o Sentendaidô fosse transmitido para o mundo todo. Por isso, hoje em dia, embora sejamos homens comuns, podemos fazer o Kyudô.”

“Existem, porém, quatro condições para se fazer o Kyudô:

1 – Nascer como um ser humano;
2 – Nascer no período curto em que o Sentendaidô está sendo transmitido publicamente;
3 – Nascer nos lugares onde o Sentendaidô está em divulgação;
4 – Encontrar o verdadeiro caminho.

Todos nós já conseguimos, sem perceber, completar todas essas condições e fazer o Kyudô. Isso é a felicidade máxima na nossa vida.”


[Estas condições lembram muito um ensinamento budista tibetano sobre as condições para a prática.]

“Como devemos agir após fazer o Kyudô e quais são suas conseqüências?

(...) Fazer o Kyudô é o mesmo que receber a carteira de habilitação. Entretanto, mesmo recebendo a carteira, se não fizermos os treinamentos suficientes, não poderemos dirigir bem o carro. Acontece o mesmo ao seguirmos o Caminho. Ainda que tenhamos feito o Kyudô, se não aproveitarmos bem, não poderemos alcançar o mesmo estado dos Santos Iluminados. Portanto, após termos feito o Kyudô, devemos freqüentar o Kaikan, ouvir os ensinamentos, para podermos nos aprimorar.

(...) Principalmente agora é uma época em que, ao contrário dos tempos anteriores, permite-nos fazer o Kyudô primeiro e o aprimoramento depois. Além disso, permite aprofundarmo-nos no Caminho, junto à família, sem alterarmos nossa vida profissional nem nos afastarmos da sociedade.”


Há muito mais no texto, mas não vamos reproduzí-lo in totum.


[Turma iniciada no Kyudô no Espaço Maitreya, no dia 21 de setembro. Ao centro, a Profa. Kazuko Kato, da Dootoku Kaikan do Brasil]

O Santo Miroku

O texto ainda traz uma explicação sobre Maitreya, figura central do Kyudô, chamado de Santo Miroku no Japão (Miroku Bosatsu):

“O Santo Miroku é o santo do sonho e da esperança, responsável pela construção do Paraíso Terrestre. É o Salvador que todos, há tempo, aguardam.

(...) 'Depois de 5.670.000.000 de anos após a morte do Iluminado mestre indiano Gautama Buddha, surgirá o Santo Miroku. Enquanto isso, Ele aguarda num lugar do Céu aprimorando-se mais e orientando muitos espíritos.' Assim está escrito num Sutra.

Todos demonstraram sua fé Nele aguardando ansiosamente Sua chegada para poder encontrá-Lo e conseguir a verdadeira iluminação. (...) Por essa razão, criaram tantas imagens do Santo Miroku mostrando-o como Orientador, Salvador e Iluminado. (...)


Atualmente, o Santo Miroku é representado através de uma figura mais próxima da humanidade [veja figura abaixo]. Dizem que Ele viveu Sua última existência como um monge. Era chamado Hotei e Sua aparência era muito próxima às imagens já conhecidas. Simbolicamente, a grande barriga e o sorriso deslumbrante representam um grande recipiente no qual tudo cabe, ou seja, representam o verdadeiro espírito do Santo Miroku que é o espírito da Verdadeira Aceitação. Sua expressão facil mostra algo de tolo, porém na verdade, é uma expressão de desapego, generosidade e sem preconceito.

(...) Ele ultrapassa os conceitos das raças, nações e religiões salvando a todos com a mesma misericórdia.”


“Mesmo vivendo num mundo de lama, cheio de rancores, conflitos e competitividade, qualquer pessoa pode aprimorar-se. Cada um por si próprio, pode purificar-se através da crença nos ensinamentos do Santo Miroku, das reverências e da prática de virtudes diárias. Assim agindo, com certeza, qualquer um poderá atingir o nível espiritual dos santos ou bodhisattwas.

Nos sutras está escrito que se as pessoas reverenciarem-No pronunciando Seu nome, conseguirão saldar suas dívidas cármicas acumuladas por muitos anos.”

“E quando surgirá esse maravilhoso Mundo do Santo Miroku?

Será somente após transcorrerem 5.670.000.000 de anos ou será no conteúdo que esses números representam?

O que representarão os números 5, 6 e 7? Qual segredo eles escondem?”


Apenas com a Cerimônia do Kyudô e a prática do Sentendaidô este e outros segredos são revelados...

Maiores informações:

Dootoku Kaikan do Brasil
Rua Brás Cubas, 224 – Aclimação – CEP: 04109-040 – São Paulo
Fone: (11) 5549-0475
E-mail: kazukokato@uol.com.br (Profa. Kazuko Kato, representante no Brasil)

Comments:
Caros amigos-Gostaria de informar sobre a cerimonia do kyudo no dia 28 de setembro de 2008, em São Leopoldo, as 10h. Contato com Ieda pelo fone 84006273. Obrigado
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?