sábado, 10 de janeiro de 2009

 

Budismo de Nitiren – polêmicas e verdades

Paulo Stekel



Introdução

Como budista que somos, temos a obrigação de respeitar todas as linhagens. Como universalista, nos dispomos a respeitar todas as religiões e todas as formas de culto, das mais ortodoxas às mais alternativas e exóticas. Esse parece ser o caminho politicamente correto que muitos têm adotado nas últimas décadas. Não o vemos como inadequado. Pelo contrário, pode ser uma ótima forma de diminuir a violência global motivada ou incitada pela religião, como vemos em Gaza, Sri Lanka, Cachemira e em muitos outros lugares. Há que se abraçar mais do que litigar, dizemos nós. Mas, quem escuta o óbvio? Somente aqueles que se dispõem a praticar.

Acostumados que somos às polêmicas envolvendo as várias tendências cristãs, que permeiam nossas vidas ocidentais, raramente nos damos conta de que picuinhas e rusgas religiosas existem em praticamente todos os cultos do mundo. A coisa fica séria quando um deles pensa (e diz) que sua verdade é superior à dos demais. Nenhuma das grandes religiões escapa ou escapou em algum momento de sua História de tal tipo de afirmação disparatada. Não faz muito o Papa Bento XVI reafirmou a supremacia do Cristianismo Católico Romano sobre todos os demais e sobre as outras religiões.

Desde a época em que nos convertemos ao Budismo (o Tibetano, embora, para o Buda, só haja um Budismo: o que conduz ao Despertar), lá pelos idos de 1995, ouvimos falar de uma outra forma de prática budista, repudiada por muitos como sendo pseudobudista ou não budista: o Budismo de Nitiren. Um lama tibetano chegou mesmo a nos afirmar serem seus adeptos fanáticos proselitistas desavergonhados. Como o Budismo não é proselitista, via de regra, isso nos chocou um pouco. Durante muitos anos não soubemos (e nem nos interessamos em saber) absolutamente nada sobre Nitiren, sobre as escolas que o seguem, seja a Soka Gakkai ou outras. A Soka Gakkai, aliás, era a mais perigosa, segundo o lama que nos advertia na época... Mas ela não é uma religião... é apenas uma ONG composta de membros leigos! O que teria de errado?

Às vezes o desconhecimento é o maior aliado do medo, do preconceito e da agressão, necessariamente nesta ordem. A regra de ouro que seguimos há anos é esta: se um assunto não lhe prejudica o sono e você consegue dormir bem sem se aprofundar nele, tudo bem, esqueça. Mas se algum dia ele lhe incomodar, vá atrás e se informe, para não emitir opinião preconceituosa que venha a interferir negativamente no caminho escolhido pelos outros. Foi o que fizemos quando o assunto “Budismo de Nitiren” começou a cercar-nos, seja através de amigos, de reportagens ou de dúvidas dos leitores.

Nitiren: todos podem se iluminar!

Esta afirmação é a base do Budismo de Nitiren Daishonin, sendo também a essência do Budismo Mahayana, a maior das divisões do Budismo, caracterizada pelo espírito de benevolência e de altruísmo.

Mas o próprio Budismo Mahayana possui inúmeras divisões, a que alguns se referem incorretamente como “seitas”. Na verdade, tudo é uma coisa só: Budismo. As diferenças não alteram isso. As bases são as mesmas. Uma das mais importantes escolas mahayana da China foi fundada por Tientai (538-597), a Escola Tendai. Esta escola ensina que o Sutra de Lótus é o mais elevado de todos os sutras Mahayana e que todas as coisas, animadas e inanimadas, possuem um potencial adormecido para o Despertar Último.

O Budismo de Tientai chegou ao Japão no Séc. IX, e mais tarde, no Séc. XIII, Nitiren Daishonin estudou no centro da escola Tendai no Japão, entendendo que o Sutra de Lótus constitui a essência de todo o Budismo. Então, começou a pregar o que havia descoberto, nascendo o que hoje se chama “Budismo de Nitiren”.

Para Nitiren, tudo está sujeito a uma única lei universal. Compreendê-la é libertar-se. Nitiren Daishonin definiu esta lei universal com o mantra Nam-myoho-rengue-kyo, uma fórmula que representa o fundamento do Sutra de Lótus e é conhecida como Daimoku. Ele é inscrito num pergaminho, o Gohonzon, como lembrete dos ensinamentos sobre a lei universal aqueles que, praticando o mantra, desejam atingir a Iluminação.

Saber um pouco da vida de Nitiren é importante para se entender como as doutrinas ensinadas por ele têm sido adotadas por tanta gente no Ocidente.

Nitiren Daishonin, ao contrário de Sakyamuni, que era filho de um rei, era filho de pescadores. Como os pescadores tiravam a vida de seres para sobreviver, eram desprezados na sociedade da época. Nitiren começou a estudar Budismo aos doze anos, tendo percebido logo várias contradições entre os ensinamentos. Isso o levou a procurar uma resposta definitiva para o sofrimento humano. Depois de muito estudo e contemplação, chegou (em 1253) a suas próprias conclusões, as quais passou a apresentar sistematicamente. Em especial, declarou que os verdadeiros ensinamentos do Budismo são encontrados apenas no Sutra de Lótus, que apresenta os ensinamentos dos últimos oito anos de vida do Buda Sakyamuni. Eis o ponto de maior choque com o Budismo Mahayana como um todo... Ao expôr pela primeira vez o Nam-myoho-rengue-kyo em 1253, proclamando que a devoção e a prática do Sutra de Lótus eram a única forma correta de Budismo para a época atual, Nitiren desagradou a muitos e ofendeu a outros tantos... Mas também conquistou muitos seguidores, especialmente entre a classe dos samurais.

Primeiros anos de ensino: perseguição e fé

Nitiren foi muito controverso, e essa controvérsia persiste em muitas escolas que seguem seus ensinamentos ainda hoje. O motivo principal de controvérsia é o fato dos praticantes do “Budismo de Nitiren” acreditarem serem os únicos que seguem a forma correta de Budismo, uma convicção que vem do próprio Nitiren. Poderíamos compará-lo a um Reformador, um “lutero” budista, mas não é o caso. Ele não queria reformar as escolas. Na verdade, queria que o governo deixasse de sustentar as outras escolas budistas e que as pessoas as abandonassem, pois se convencera de que seguiam ensinamentos errados. Essa atitude pode ser encontrada na origem de muitas cisões religiosas pelo mundo, mormente as cisões cristãs...

A conseqüência óbvia da atitude de Nitiren foi a perseguição, que veio tanto das escolas budistas populares da época como do governo que as protegia. Ele mesmo declarou que era essencial que "o soberano reconheça e aceite a única forma verdadeira e correta de Budismo" e a única maneira de "atingir paz e prosperidade para a terra e seu povo e dar um fim ao sofrimento". Foi uma atitude radical, com certeza, e na contramão do que se busca atualmente no campo religioso: complementaridade e não sectarismo! Devemos aprender que não se pode contrapôr nem misturar “fés”, apenas praticar uma e respeitar (além de estudar) as demais... Isso é muito mais produtivo e pacífico.

Da mesma forma que os antigos Profetas de Israel, Nitiren atribuiu a ocorrência de fomes, doenças e desastres naturais da sua época ao fato das pessoas não seguirem a “forma verdadeira e correta de Budismo”. Isso realmente beira o proselitismo, algo que o Buda não ensinou. Por isso, Nitiren foi atacado, exilado, seqüestrado e quase assassinado...

Depois de passar por tudo isso e sobreviver, dizem seus seguidores, Nitiren teria descartado sua identidade provisória de simples sacerdote e revelou-se como a reencarnação do Bodhisattva Jogyo ou como um Buda, conforme o que aceite cada escola. Seguiram-se três anos de banimento para a ilha de Sado, onde Nitiren escreveu tratados importantes que descrevem sua doutrina.

Terminado o banimento, Nitiren exilou-se no Monte Minobu, onde montou um templo e continuou escrevendo (mais de 700 obras!), pregando e treinando discípulos até a morte, em 1282.

O efeito Nitiren

Após a sua morte, os ensinamentos de Nitiren foram interpretados de diversas maneiras por seus seguidores, o que em geral acontece com todos os líderes religisos. Por isso, o Budismo de Nitiren possui diversas linhas e escolas, sendo as mais importantes a Nitiren Shu e a Nitiren Shoshu, cada uma com suas particularidades. A maior (e mais polêmica) diferença está se a escola considera Nitiren como O Verdadeiro Buda ou O Buda Original, como é o caso da Nitiren Shoshu e da Soka Gakkai, ou se o consideram como um grande mestre, como é o caso da Nitiren Shu. Mas todas afirmam que o Sutra de Lótus é o sumum bonum do Budismo, em detrimento de todos os demais sutras, que são considerados verdades parciais. Mas, qual texto, de qualquer religião que seja, poderia conter A Verdade Total??? Como o Sutra de Lótus, ao contrário dos demais, poderia ter sido ensinado pelo Buda a partir de um ponto absoluto, se seus seguidores ainda estão imersos no relativo??? Como podem entender o absoluto, então?

Essa atitude nos parece contrária à visão do Budismo Tibetano, por exemplo, no qual não se exclui sutras ou demais textos, mas apenas se inclui. O Budismo Tibetano estuda não só seus próprios textos, mas todos os demais textos do Mahayana (em tibetano, chinês e sânscrito) e imprescindivelmente os textos em páli do Budismo Theravada conhecidos como “Tipitaka”, quase uma “bíblia páli”. Excluir todos os demais em detrimento de um único texto parece uma atitude temerária. Mas é o direito de Nitiren e de seus seguidores e o reconhecemos. Mas também podemos nos reservar o direito de pensar diferente...

Há ainda três pontos a considerar nos ensinamentos de Nitiren. Um, é a a utilização de um único mantra (o Daimoku), o Nam-myoho-rengue-kyo, que, numa tradução simples, significa "Devoto-me à lei mística do Sutra de Lótus", mas cujas sílabas desdobram-se em muitos significados. Rezar apenas este mantra conduziria ao Despertar. Isso é uma prática de fé, não de conhecimento. Mas isso também não é um problema.

O segundo ponto essencial do Budismo de Nitiren é a possibilidade de se atingir o Estado de Buda na vida atual. Ainda que seja possível, mas virtualmente difícil, o Budismo Tibetano também possui este ensinamento. Não custa tentar... Afinal, como saber até onde já chegamos na busca por sabedoria nas vidas anteriores?

O último ponto ensina, através da disseminação dos ensinamentos (chakubuku), a se buscar a paz mundial (chamada kossen-rufu). Nunca a paz mundial foi tão bem vinda! Uma prática religiosa ter a paz mundial como uma de suas bases essenciais é algo realmente louvável.

Nitiren: um Buda ou O Buda???

Em algumas escolas, Nitiren ou Nichiren (1222-1282), também chamado de Nichiren Daishonin, acabou sendo elevado à condição de Buda original da era de Mappô. Assim o consideram os membros da Nitiren Shoshu e da associação de leigos, a Soka Gakkai (representada no Brasil pela BSGI, uma ONG). Mas escolas como a Nitiren Shu consideram Nitiren como um patriarca, mas não deixam de seguir o Buda Shakyamuni.

Para a Escola Nichiren Shoshu, uma ordem monástica, conforme a predição do Buda Sakyamuni revelada no Sutra de Lótus, na época denominada Era do Fim do Darma – iniciada dois mil anos após o falecimento do Buda Sakyamuni - Nichiren Daishonin apareceu como o Verdadeiro Buda para a salvação dos seres. Nichiren ensina que todos que acreditarem no Gohonzon (objeto de adoração), a essência do Sutra de Lótus, e recitarem o Nam-myoho-rengue-kyo, poderão atingir a condição de Buda.

Apenas para esclarecer, Soka Gakkai é a designação de uma organização não governamental (ONG) que tem como objetivos o estabelecimento da paz, da cultura e da educação. Tudo isso com base no Budismo de Nitiren, religião da qual seus integrantes são praticantes leigos. Possui aproximadamente 15 milhões de membros no mundo. Até o início dos anos de 1990, a Sokka Gakkai era associada à Escola Nitiren Shoshu, mas graves divergências as separaram em definitivo. Por causa disso, atualmente é uma organização laica, sem uma ordem monástica associada. É liderada desde 1960 por Daisaku Ikeda, conhecido filósofo, escritor, fotógrafo e poeta, responsável por seu rápido crescimento no mundo. No Brasil é representada pela BSGI (Brasil Soka Gakkai Internacional).

A Escola Nichiren Shu chama Nitiren de Nichiren Shonin. Para ela, Nichiren foi um grande professor e reformador, que rejeitou o elitismo do budismo japonês e o restaurou como uma prática popular, entendendo o Sutra de Lótus como o ponto culminante dos ensinamentos de Buda. Para esta escola, Nitiren não é um Buda, nem O Buda Original, mas um grande mestre. Por isso, o diálogo da Nichiren Shu com outras escolas budistas, como as do Mahayana e o Theravada tem se mostrado no mínimo viável.

Algumas críticas ao Budismo de Nitiren

Conversando com várias pessoas pela Internet, em Redes Sociais, recebemos vários relatos e críticas ao chamado “Budismo de Nitiren”, bem como algumas defesas. Só para exemplificar, eis alguns argumentos (os nomes são fictícios, por insistência de seus autores):

“Fui numa reunião e não gostei. Ali pregam que Sidarta não é o verdadeiro Buda. Dizem ainda que nos textos Sidarta apontou que Nitiren viria esclarecer o mundo sobre o verdadeiro budismo após 2000 depois de sua morte de sidarta.” [Arlete]

“A Sokka Gakkai prega que Nitiren é a encarnação do Buda Gautama e que veio para restaurar o verdadeiro Budismo. (...) Já visitei vários grupos desta seita e constatei muita ignorância, arrogância e ingenuidade em relação aos ensinamentos de outras escolas budistas, que para eles são desencaminhadores do verdadeiro budismo.” [Renan]

“Verdadeiro Budismo? Acho que a frase está mal colocada. Nunca vi essa abordagem. Existem discussões filosóficas entre as eEscolas, mas não chega ao ponto de uma ser melhor que a outra. Sinceramente não entendi.” [Bira]

“O que já discuti diversas vezes foi a falta de ética dos membros da Nitiren nos seguintes fatos: Ao falar "o verdadeiro Budismo" deixando a entender que os outros são falsos; ao dizer que o mantra deve ser usado por todos desconsiderando que todas as outras escolas não usam esse mantra; ao dizer que o Sutra de Lótus é o mais importante do Budismo e que todos os outros devem ser estudados com base nele, o que desrespeita as outras escolas que não acreditam nesse Sutra. Não estou falando que é para os membros da Nitiren deixarem de praticar ou acreditar no que diz essa filosofia. Mas que o que ela prega é bastante particular no Budismo, portanto entra em conflito com as outras escolas.” [Gilvan]

“Nitiren Daishonin não é uma escola budista porque não possui os Quatro Selos do Dharma [ver nota 1]. Nenhuma escola budista tradicional reconhece esta seita como budista. Nem o Theravada, nem o Mahayana, nem o Vajrayana. Nenhum grande mestre budista faz sequer menção a este pretenso "budismo", que em verdade desencaminha as pessoas da verdadeira prática budista, e apresenta obstáculos como se fossem caminho de iluminação (culto a personalidades, adoração de objetos, desconhecimento das Quatro Nobre Verdades).” [Antônio]

Nota 1: Os Quatro Selos do Dharma são - Todos os fenômenos compostos são impermanentes; todos os fenômenos contaminados são insatisfatórios; todos os fenômenos são vazios e desprovidos de realidade intrínseca; o Nirvana é a verdadeira paz.

“Nitiren não é budismo. Qual é a outra linhagem budista que é acusada com tanta freqüência de não ser budista pelos próprios budistas e por não-budistas bem esclarecidos? (...) todos já ouvimos praticantes de todas as linhagens afirmar que Nitiren viola os mais básicos preceitos budistas: não possui os Quatro Selos (vício fundamental); não propaga as Quatro Nobres Verdades [ver Nota 2]; não prioriza o treinamento da mente; pratica culto à personalidade e ao ego; pratica materialismo descaradamente; pratica idolatria (adoração de objetos).” [Flávia]

Nota 2: As Quatro Nobres Verdades, de acordo com os textos canônicos, são a Verdade do Sofrimento, a Verdade da Causa do Sofrimento, a Verdade da Extinção do Sofrimento e a Verdade do Caminho de Oito Aspectos para a Extinção do Sofrimento.

Esta é a opinião das pessoas. Deve haver verdades e equívocos nela. Ninguém agrada a todos, diz o próprio povo. Por isso solicitamos ao Monge Hakuan (Antonio Carlos Rocha) uma defesa mais consistente do Budismo de Nitiren, e ele nos enviou prontamente um artigo esclarecedor. Monge Hakuan tem escrito vários artigos para a Revista Horizonte – Leitura Holística, e ele mesmo é seguidor de Nitiren, Gatukô (auxiliar sacerdotal) da Escola Honmon Butsuryu Shu, que considera Nitiren (que ele escreve Nichiren) como um grande mestre. Depois de lermos o que ele tem a dizer, reflitamos cada um de nós sobre o assunto e, se conseguirmos dormir sem nos incomodarmos com ele, ótimo. Caso contrário, aprofundemos nossos estudos, para não cair no preconceito e na ignorância de muitos. Segue, logo abaixo, o artigo de Monge Hakuan:

Nichiren – O Lótus Sol

Hakuan (Antonio Carlos Rocha) - Gakutô (Auxiliar Sacerdotal do Budismo Primordial HBS)



No âmbito das muitas linhagens budistas que conhecemos hoje em todo o mundo, as linhagens Nichiren são, curiosamente, muito amadas por uns e detestadas por outros. Incluo-me entre os primeiros. Sou daqueles que muito amam estudar, pesquisar e praticar quase todas as linhagens budistas que me são possíveis, como um leitor entusiasta que fica maravilhado diante de magnífica e diversificada biblioteca.

Aprendi muito cedo com o Buda Sakyamuni que a beleza e importância da floresta está na diversidade. Podemos afirmar que o Budismo é atualmente um Ecossistema de escolas, veículos, linhagens, sub-linhagens, ramos, filosofias e pelo visto, não vai parar de crescer, pois isso é próprio da vida.

O parágrafo acima me fez lembrar que, em artigo anterior, já publicado nesta ótima Revista Horizonte - Leitura Holística, citei o Venerável Anagárika Govinda, aprovando as novas interpretações e vivências budistas.

A grande questão é o chamado “Budismo Nichiren” que nasceu no Japão, na Idade Média, e que hoje abriga muitas escolas (há até quem afirme a existência de 40 linhagens). Alguns budistas de outros ramos afirmam que o Budismo Nichiren não é Budismo, ou então chamam de “Budismo Evangélico”. Esquecem-se, estes queridos e iluminados irmãos que se há Budismo Teravada, Budismo Zen, Budismo Terra Pura, Budismo Chan, Budismo Tibetano, Budismo Chinês, Budismo Coreano, Budismo Norte-Americano, já se fala até em Budismo Brasileiro e etc., por que não pode haver um Budismo Nichiren?

Em primeiro lugar é preciso notar que o próprio Sakyamuni esclareceu a existência de muitos Budas, antes e depois dele. Logo, quando a linhagem a qual pertenço, Budismo Primordial HBS, reverencia o Buda Sakyamuni e afirma que o Buda Primordial é o Adhi Buddha e que esta energia primeva da vida incorporou-se em Sidarta Gautama, de forma mediúnica, e que portanto, se quisermos, podemos considerar os termos Deus e Buda Primordial como sinônimos, estes irmãos budistas, de outras linhagens, discordam e dizem que isso não é Budismo.

Se Sidarta disse que houve muitos Budas antes dele e que após ele viriam muitos outros Budas, qual é o problema de também chamarmos Nichiren de Buda? A linhagem Soka Gakkai afirma que Nichiren é o Buda Original e Sakyamuni, o Buda Histórico. Ora, é Original porque ele fez uma interpretação original, diferente em alguns pontos do Ensinamento de Sakyamuni. Original no sentido de criatividade.

Constato então que eles, os irmãos budistas que discordam, com todo o respeito escrevo isso, estão presos, apegados a conceitos antigos, ortodoxos e não conhecem, novamente com todo o respeito, as escrituras budistas de uma forma mais ampla. No citado artigo que nos referimos acima, o Venerável Anagárika Govinda, afirma que, mesmo um alimento, congelado por muito tempo no freezer, vai precisar de um tempero atualizado, de forma que o sabor ganhe o merecido destaque. Ainda nesse mesmo artigo citamos um trecho do Mahaparanibhanasutta ou “O último sermão de Buddha”, dentro da tradição ortodoxa Teravada onde, textualmente Sidarta declara que, se a ordem quiser (a Sanga), após o desencarne dele, poderá alterar todos os preceitos menores. E comentamos que os preceitos maiores são os três tesouros: o Buda, o Darma e a Sanga e os menores os demais aspectos.

Mas, se o Budismo que os seguidores de Nichiren praticam refere-se a um Buda anterior a Gautama, não há motivo para tanta polêmica. Lembro que, certa feita, conversando com uma conceituada monja no Rio, da tradição Terra Pura japonesa, ela me disse que as imagens de Buda que tem nos altares dos templos Terra Pura de sua linhagem, em todo o mundo, não são de Sakyamuni, que geralmente aparece sentado na clássica postura de meditação, mas sim, do Buda Darmákara, que viveu bem antes de Sidarta. E Darmákara sempre aparece nas estátuas e imagens de pé, e nunca sentado e é por isso que, em geral, nos templos Terra Pura, existem bancos e cadeiras comuns e não as tais almofadas de outras tradições.

O mesmo acontece com as seis linhagens Nichiren presentes no Brasil. Existem bancos e cadeiras nos templos, como se fosse uma igreja. Talvez a única exceção à regra, seja o nosso núcleo no Rio, que por funcionar em uma academia de yoga, tem almofadas sobre pequenos pedaços de carpetes. Como, aliás, era na antiguidade japonesa, quando todos sentavam em tatames.

No Brasil temos as seguintes linhagens do Budismo Nichiren:

Budismo Primordial HBS – Honmon Butsuryu Shu = www.budismo.com.br (na capital carioca nós chamamos de HBS-Rio, ou seja Herdeiros do Buda Sakyamuni na Cidade Maravilhosa = http://budismoprimordialrio.blogspot.com);

Soka Gakkai = www.bsgi.org.br;

Risho Kosei Kai = www.rkk.org.br;

Nichiren Shu = www.nichirenshu.org.br;

Nichiren Shoshu = www.ns.org.br;

Reiyukai = www.reiyukai.or.jp (é o site oficial em inglês; no Japão; há um link em espanhol).

Além dos sites oficiais, há vários sites não oficiais e blogues autônomos, como o meu.

Em inglês há um site ótimo: www.nichirenscofeehouse.net. De lá o leitor encontra links para diversas linhagens históricas e tradicionais, além de muitas do Budismo Nichiren em todo o mundo; há até grupos budistas nichiren independentes. Veja também outro site muito bom: www.nichirenshueuropa.org (em várias línguas).

A reforma religiosa que Nichiren promoveu no Japão foi tão importante que até hoje influencia direta ou indiretamente diversas correntes religiosas neobudistas, não budistas, xintoístas, neoxintoístas e afins como Seicho-No-Ie, Igreja Messiânica, PL – Perfeita Liberdade, Sukyo Mahikari, etc. Todas têm altares semelhantes ao Gohouzen com inscrições em caracteres chineses ou nipônicos. Inclusive, as muitas linhagens de Reiki que percorrem hoje o Ocidente, lembram os sinais e os ideogramas que Nichiren inscreveu em seu Gohonzon. Por exemplo, a linhagem a qual pertenço, HBS, tem a prática da água fluidificada que os espíritas muito usam.

Nos altares de algumas linhagens do Budismo Nichiren existem imagens de Sidarta, em outras não, em algumas existem só imagens de Nichiren, em outras não, em algumas existem só um quadro ou mandala com caracteres nipônicos ou chineses explicitando o mantra Namu Myou Hou Ren Gue Kyou (que significa “Eu me refugio no Buda Primordial”) e a presença dos muitos Budas, Bodhisatvas, Mahasatvas e altos seres celestiais afins.

Não vemos problema nessa não existência de imagens de Sidarta Gautama; o próprio Sakyamuni, desde seus primeiros pronunciamentos no cânon páli, nunca fez questão de ser representado por uma estátua, e foi justamente isso que fez com que Nichiren não desse muita importância ao uso de imagens. Talvez por isso, muitos nos rotulam como “budistas evangélicos”, visto que os evangélicos do cristianismo não são afeitos às imagens. E também porque a jovem linhagem, Soka Gakkai, fundada em 1930, utiliza métodos de conversão semelhantes aos pentecostais.

Nichiren tinha uma profunda e reverente admiração por Sakyamuni e em função disso, compreendendo que ele foi um ser preparado e escolhido pelo Buda Primordial para nos revelar o Sutra Lótus, então preferiu inscrever em um pergaminho a reverência a todos os Budas, bodhisatvas etc, como já citamos. É importante frisar que ele não escreveu os nomes no pergaminho, mas inscreveu e por isso este sagrado pergaminho é chamado de Gohonzon e é isto o que temos em nossos altares. Os altares têm o nome de Gohouzen. O pergaminho é como se fosse um diploma, um cartão de banco ou de crédito, uma senha, e assim, todo iniciado tem em casa uma cópia deste pergaminho que também é conhecido como mandala.

Podemos afirmar que em quase todos os países do mundo há um pequeno grupo de praticantes que seguem alguma linhagem inspirada ou em Nichiren ou no Sutra Lótus e seguem o sagrado mantra já citado.

Uma das curiosidades deste tipo de budismo é que ele se reúne com mais freqüência nas casas, nas residências, em pequenos grupos e só eventualmente nos templos.

Vejamos um bom exemplo do preconceito que cerca os nichirenistas. No ótimo livro publicado no Brasil pela Editora Cultrix, “Budismo – uma introdução concisa”, os renomados especialistas norte-americanos em religião, Huston Smith e Philip Novak, ao longo de 208 páginas falam muito bem de diversas correntes, linhagens, veículos, etc. Mas o espaço dedicado a Nichiren é ínfimo, nada mais que 20 linhas. Ora, pensamos que os referidos autores não tiveram uma atitude imparcial, conforme recomenda uma pesquisa acadêmica séria. Só 20 linhas para falar de um conjunto de escolas, sub-escolas, interpretações que abrigam milhões de praticantes em todo o mundo?

É comum também pessoas que não conhecem a vida e a obra de Nichiren afirmarem que o significado do mantra é apenas “Louve o Lótus da Boa Lei”, como sugerem os citados autores na página 135 do referido volume. A postura é semelhante a uma pessoa que, não sabendo do que trata a astronáutica, tece considerações, definições e juízo de valor sobre a arte de enviar foguetes interplanetários para investigar o cosmo.

Talvez, toda esta celeuma tenha sua origem no seguinte: Nichiren (1222-1282) era uma monge politicamente bem acordado, um monge militante, revolucionário verbalmente falando, e mais de uma vez afrontou os poderes constituídos dizendo verdades aos poderosos. Conclusão: foi preso e condenado à morte por decapitação. Mas há uma história interessante que muitos afirmam ser lenda. Na hora do martírio, em praça pública, o carrasco não teve coragem de cortar a cabeça do sacerdote Nichiren. Nos céus apareceram sinais estranhos, houve trovoada, raios, a Terra tremeu, etc. Então, os algozes decidiram enviá-lo para o exílio. Anos depois voltou com a anistia.

Há uma outra história também de que em alguns dos textos escritos por Nichiren ele criticou o Budismo Zen e o Budismo Terra Pura. No primeiro caso é porque ele tinha uma devoção muito grande ao Buda Sakyamuni e mesmo tendo sido praticante e estudioso do Zen, não conseguia entender ou aceitar muito bem a irreverência e iconoclastia das linhagens zen que, às vezes, até recomendam “matar” o Buda, não respeitar a hierarquia sacerdotal, queimar as imagens do Buda, etc. Claro que isto é uma linguagem simbólica. O outro aspecto é que, contam, praticantes da Terra Pura, certa feita queimaram a cabana onde morava Nichiren, porque ele havia criticado os chefes e fundadores da linhagem Terra Pura. Então, alguns seguidores de Nichiren fizeram o mesmo e queimaram um templo da Terra Pura. E assim, hoje, ficamos sem saber quem iniciou a briga... Uns dizem que é um, outros dizem que é o outro.

Nessa época havia também muita corrupção no clero budista, que estava se utilizando das benesses do poder governamental em detrimento do povo. E Nichiren foi veemente com eles. Assim, nosso Patriarca “Nini”, fugiu ao padrão de que monge é sempre bonzinho, caladinho, bonitinho, arrumadinho, só meditativo e não fala nada diante das mazelas dos poderes corruptos e seus apaniguados.

Imparcialmente falando, Nichiren foi muito rude com as linhagens Zen e Terra Pura; a meu modo de ver, jamais deveria ter escrito isso, pois esqueceu da compaixão que Sidarta sempre ensinou. Ele poderia até discordar educadamente dos poderes governamentais da época, sem perder as estribeiras. Parece que morreu assim, meio brigão, valentão, verbalmente falando. Mas o que não faz sentido, hoje, novamente, na minha maneira de ver, é ficarmos nós brasileiros, reproduzindo uma briga da Idade Média japonesa, que não tem nada a ver conosco, tupiniquins, com a nossa realidade em pleno século XXI, e sim que o acontecido foi um fato local, isolado, dentro da belíssima história do budismo mundial. Com todo o respeito e reverência penso que estão equivocados os brasileiros nichirenistas quando afirmam que só o Budismo Nichiren está certo e os outros budismos estão errados; da mesma forma, discordo respeitosamente dos praticantes brasileiros, das demais denominações budistas, quando afirmam que Budismo Nichiren não é Budismo.

Quanto a afirmar que o Budismo Nichiren é Budismo Evangélico, não vejo problema nenhum, pois nada tenho contra os evangélicos cristãos, nem contra qualquer outra religião ou filosofia. Não me sinto diminuído ou agredido quando um budista de outra linhagem estranha nossa afirmação de que o Budismo Nichiren é um Budismo de Fé e vemos os vocábulos Deus e Buda como sinônimos, aliás, o nome oficial da linhagem a qual pertenço é Religião Budista Primordial - HBS.

Poderia listar ainda diversas outras muito bonitas linhagens Nichiren que não estão presentes no Brasil, mas por motivos de espaço recomendo o site em inglês www.lotus.net. De lá há um link para uma linhagem Nichiren 100% pacifista, ecumênica e inter-religiosa: http://www.niponzanmyohoji.org. Seu fundador foi o grande e Venerável Mestre japonês Nichidatsu Fujii Guruji (1885-1985). O último nome “Guruji” era a forma carinhosa como o Mahatma Gandhi chamava Nichidatsu. O monge japonês Fujii andava pelo mundo tocando um pequeno tambor do Darma do Buda, conforme ensinado por Nichiren e viveu durante três anos, na Índia, no ashram do Mahatma Gandhi, durante as lutas de libertação contra o Império Colonial Britânico. Diariamente pela manhã, juntos recitavam as orações de Gandhi inspiradas no Bhagavad Gita, no Evangelho de Jesus e nos Ensinamentos de Nichiren, através do Sagrado Mantra citado. Portanto, o exemplo de Gandhi, de não-violência ativa, tem muito de Nichiren.

Um outro grande mestre e monge budista Theravada, que ficou conhecido como o Gandhi do Camboja, também morou no ashram e acompanhava o Mahatma chamando Nichidatsu de Gurujii. Maha Ghosananda, o Gandhi do Camboja, foi indicado quatro vezes para o Prêmio Nobel da Paz. Portanto, nichirenistas ou não nichirenistas, a convivência pacífica e harmoniosa é possível e recomendável.

Recomendo dois ótimos livros: o primeiro, de autoria de Nichiko Niwano, atual presidente mundial da linhagem Risho Kosei Kai, que está presente no Brasil há 30 anos, “O Caminho Interior”, Editora Cultrix, 1996. E o segundo, de autoria do pai de Nichiko, Nikkyo Niwano, fundador da referida linhagem: “Shakyamuni Buddha – uma biografia narrativa do Buda histórico”, publicado pela editora católica Cidade Nova, em 1987, pertencente ao Movimento dos Focolares. Aliás, em 1979, o Vaticano outorgou a Nikkyo o “Prêmio Templeton” por motivos de aproximação ecumênica e inter-religiosa com diversos segmentos budistas e cristãos.

Ryuho Okawa, fundador e mestre da linhagem Ciência da Felicidade, uma espécie de Budismo Mediúnico, afirma em um de seus vários livros que Nichiren errou ao condenar as linhagens Zen e Terra Pura, mas que hoje, nas esferas celestiais, onde vive, é um Espírito de Luz e já se arrependeu do que escreveu na Idade Média. Logo, os praticantes hoje, devem também perdoar o Mestre Nichiren pela imprudência nas críticas. Veja o site em inglês (há link em português): www.kofuku-no-kagaku.or.jp.

Contudo, é bom frisar, que a Soka Gakkai tem até um partido político no Japão, ou seja, aproximaram política partidária com Nichiren, o subversivo de sua época. Contou-me um praticante da SGI – Soka Gakkai International que a intransigência de sua linhagem era em função da estreita ligação com a ex-radical Nichiren Shoshu, mas que, desde 2001, estão devidamente separadas, autônomas e independentes e que a Soka está cada vez mais light.

Assim seja!

Marcadores: , , , , , , , , ,


Comments:
- Saudações fraternais!
- Achei muito elucidador o artigo. Também me ajudou a refletir sobre muitos aspectos relacionados com o nosso dia a dia.
- Quantas vezes fazemos algumas críticas sem o embasamento necessário, sem a fundamentação necessária. Quem assim procede é digno de compaixão e pode não passar de um ignorante letrado que se baseia em frágeis deduções. Isso é perigoso e pode levar a fanatismos e outros tantos males.
- Os paradigmas de passado devem de ser analisados, pois nada é para sempre e tudo é evolução. Portanto, algumas mudanças são feitas, na medida em que o tempo avança. Alguns paradigmas não mudam, pois são a essência do próprio universo com todas as suas dimensões. O problema muitas vezes está nas interpretações feitas por seres humanos e que podem provocar cisões.O importante de tudo é a busca da compreensão da vida com todas as suas variações, desde o sofrimento, até a plenitude de não participar mais do ciclo de reencarnação.
- Todas as correntes do budismo possuem verdades imutáveis que levam para a melhoria do ser humano. Isto é um valor inestimável: a compreensão e o equilíbrio no viver. Infelizmente alguns não entendem e ficam a divagar com frágeis argumentos e acabam provocando separações.
- De qualquer maneira para mim o budismo e todas as suas variações impulsionam o ser humano para o aperfeiçoamento de uma vida mais equilibrada com as leis do universo. Quando há alguma dificuldade de interpretação na doutrina,nada melhor que ir a fundo em pesquisas e fazer uma bela fundamentação para não cair no erro estúpido, o qual pode ser muito perigosos para muitos.
- Parabéns pelo excelente artigo!
 
Obrigada pelo prazer em ler o texto!
Penso que "alcançar a iluminação do Buda", seja possível em momentos,(considerando a impermanência das coisas e dos estados humanos)quando nos implicamos dentro das situações que nos acontecem e não partimos somente da súplica a um ser elevado... sendo a conexão com a Lei Mística, do Universo (que sempre conspira a nosso favor) fundamental.
 
Ponderadas palavras caro Paulo, e uma grande capacidade de discernimento sobre um assunto que requer dois pesos e duas medidas sempre, principamente quando se fala sobre budismo, conhecido como o caminho do meio.
 
Ponderadas palavras caro Paulo, e uma grande capacidade de discernimento sobre um assunto que requer dois pesos e duas medidas sempre, principamente quando se fala sobre budismo, conhecido como o caminho do meio.
 
Olá a todos! Sou membro da SGI, gostaria de parabenizar a esse texto magnifico.
É muito fácil julgarmos o que não conhecemos como também séria muito fácil enterdermos o que criticamos. Acredito como seguidor que a intencao do Budismo é pregar a paz mundial, esse Kossen-Rufu como foi descrito acima, sim, nosso maior desejo membros da SGI é propagar a paz mundial, é ver o sorriso nos labíos de todos os seres humanos, é ver todas as pessoas concretizaram seus objetivos, e ver as pessoas evoluindo para melhor...positivamente...
Como adepto desse budismo posso me considerar hoje como uma pessoa renovada, uma pessoa mais sensivel a todas as emocoes humanas, compreendendo os fatos, transformando o veneno em remédio (ao sofrimento em alegria), pregando o amor e respeito por todos os seres humanos, um ser que quer aprender com qualquer e todas as situacoes cotidanas e usar esse aprendizado em beneficio não só proprio mas com beneficio a todos!
Através desse "Daimoku" como foi citado procuramos por a nossa vida em sintonia com o universo, acho que nem precisa ser adepto do Budismo para saber que tudo que nos rodeia é energia, é vida, como por exemplo, a mesa em que fazemos nossas refeicaes todos os dias (madeira vem da arvore, arvore é vida, sim? energia), além de entrar em sintonia com a enérgia universar conhecida por nós como (Lei Mística) procuramos a iluminacao para lidarmos com tudo na vida positivamente, entendo todos os fenomenos dentre eles os quatro sofimentos (Nascimento, Doenca, Velhice e Morte). E sim acreditamos que todos nós somos budas, mas nao todos nós budistas seguidores da SGI, todos os seres humanos somos budas, mas temos que encontrar uma forma de evidenciar esse estado, nós membros da SGI, recitamos o Nam Myoho Rengue Kyo, que nós faz tao bem e que faz bem a todos as pessoas, caso contrario, nao estariamos espalhando a paz, amor, harmonia e felicidade a todas as pessoas no mundo! Buda, se vocês procurarem no dicionário o significado da palavra Buda vao encontrar 3 significados, que sao:
buda
(sânscrito buddha, desperto, esclarecido, iluminado, particípio passado de budh, despertar, acordar, esclarecer, iluminar)
s. m.
1. No budismo, designação dada a quem alcança um estádio de iluminação ou sabedoria suprema.
2. Representação de Siddhartha Gautama (séc. VI a.C.), o Buda, fundador do budismo.

Nesta existencia ou em outras existencias todos nós temos a capacidade de despertar, e acordar para a Verdade da Vida, só depende de nós!
Aqui segue alguns sites parceiros da SGi que acredito que seria interessante ler, eu sempre leio, sempre me ajuda rs!
SGI (ingles)
http://www.sgi.org/
SGI (portugues)
http://www.bsgi.org.br/
Estado de Buda
http://estadodebuda.com.br/
As Mais Belas Historias Budistas
http://www.maisbelashistoriasbudistas.com/
PS: Ninguém é melhor que ninguém, al invez de criticarmos negativamente o que não conhecemos, deveria lutar pela paz, pelo amor, pela felicidade e pela harmonia de todos nós abitantes da terra! Benevolencia essa é a palavra! Abraco e sinceramente do fundo do coracao, desejo que todos voces e tudo mundo seja coberto de paz e felicidade!
Nam Myoho Renge Kyo
 
Obrigada pelo elucidativo texto. E pelo artigo anexo. Estou em contato com a BSGI, na minha cidade, tendo recebido, em minha casa, duas excelentes pessoas membros do Budismo Nitiren. A leitura do seu texto veio no momento de maior necessidade de entendimento dessa questões de vários segmentos do Budismo. E, se eu me encontrava reticente sobre aceitar o convite para "converter-me" ao Budismo Nitiren, agora, surgiu a certeza: Darei uma resposta educada e, tanto quanto possível esclarecedora de meu posicionamento, mas não vou entrar no Budismo Nitiren. Com todo respeito. Penhoradamente agradeço pelo seu magnífico texto. Faz bem a todos que refletem antes de criticar o que quer que seja.
 
Prezada Regina,

Independente de sua decisão, fico feliz por ter este artigo auxiliado em seu caminho. Que possa haver benefício para todos os seres sencientes! (Sarva mangalam!)
 
Muito obrigada por esse artigo, faz muitos anos pratico o Daimoku de Nitirem,uns 30 anos, e também estou afastada de qualquer escola por não compreender e por ver tantas discordancias na forma do budismo Nitirem e a forma tradicinais dos demais budismo. Hoje graças a você esclareci pontos importantes que reforça minha fé e minha pratica solitaria. Sempre intui que o Buda Primordial era algo mais que Dakyamuni ou Nitirem, sempre acreditei que o Buda do Remoto passado do tempo sem começo e sem fim, é essa energia que permea todo o Unnverso e que se pode também chamar de Deus. Por isso continuo recitando o Daimoku. Mais uma vez obrigada.
 
Muito obrigada por esse artigo, faz muitos anos pratico o Daimoku de Nitirem,uns 30 anos, e também estou afastada de qualquer escola por não compreender e por ver tantas discordancias na forma do budismo Nitirem e a forma tradicinais dos demais budismo. Hoje graças a você esclareci pontos importantes que reforça minha fé e minha pratica solitaria. Sempre intui que o Buda Primordial era algo mais que Dakyamuni ou Nitirem, sempre acreditei que o Buda do Remoto passado do tempo sem começo e sem fim, é essa energia que permea todo o Unnverso e que se pode também chamar de Deus. Por isso continuo recitando o Daimoku. Mais uma vez obrigada.
 
interessante seu artigo, mas as criticas que alguns fazem não são de todo modo infundadas. Primeiro é sobre a posição que muitos budistas da linhagem de nitirem se acharem como verdadeiros. Ora não existem nem verdadeiro nem falso budismo, mas o budismo que é o conjunto de párticas explanadas por shakyamuni, o Buda, fundamentadas no nobre caminho óctuplo (itens que só uma linhagem da nitiren fala) outra questão é que o sutra de lótus não contem a essência dos ensinamentos de sakyamuni, mas foi uma das ultimas explanações do Buda e em nenhum momento ele disse que essa era melhor que as outras, fato que pode ser entendido pelo conjunto de ensinamentos expressos no cânone Pali da tradição theravada. O sutra de lótus foi explanado pela primeira vez pelo monge chi-i fundador da escola tientai e discípulo de Nargajuna. O monge japonês Saicho que estudou na escola tientai, na China, trouxe para o Japão ensinamentos desta e fundou a escola tendai, cuja nitiren shonin foi aluno. Você falou de que certas criticas foram feitas por ignorantes e iletrados. Porém meu caro, certas criticas são feitas por atitudes vistas. Eu mesmo fui membro da SGI e vi cenas de fanatismo, principalmente comprando uma briga que o fundador Daisaku ikeda teve no Japão e pessoas nem se quer conhecem a fundo toda historia e do que realmente foi passado. A não ser é claro a visão do Daisaku Ikeda. Um outro ponto que você falou e que também concordo de chamarem outras tradições budistas de heréticas e quando falam de "budismo evangélico" é porque muitos seguidores da Nitiren, particularmente ja vi isso, tem essa atitude " se não tiver em relação aos escritos de nitiren, não falsos.". Isto posso tomar como fato uma integrante da SGI que uma vez conversando que queria apreender yôga, mas não queria se ligar a filosofia da yôga por que o budismo proibia. Para finalizar, eu digo que o Buda explanou sim a compaixão, mas acredito que ele não ensinou ninguém a perder a sua consciência critica. Passar bem
 
Gostei muito da matéria e dos argumentos tanto contra quanto em defesa do Budismo Nitiren.
Sigo o budismo Nitiren da Soka Gakkai e muitas vezes me senti inseguro quanto as outras escolas por haver um certo preconceito com os ensinos de Nitiren.
Achei bastante relevante os argumentos do monge da escola HBS e concordo com ele.
O Budismo em suas diversas formas conduzem o ser humano a felicidade. Por isso tenho bastante respeito pelas demais escolas e gosto também de estudar sobre elas. Acredito que todos trilhamos um mesmo caminho, cada um da sua forma.
 
Quando jovem, frequentei por cinco anos a Sokka Gakai, passando depois para a Seicho-no-ie, porque questão de comodidade (minha igreja é sempre a que ficar mais perto d minha casa).
Meu marido, issei, é assinante de jornal em língua japonesa. Não sei ler em japonês, mas, diante de uma fotografia de grupos, sei apontar qual é o de Nitiren. Por que são as pessoas mais sorridentes, felizes e pacíficas que já conheci.
 
Como Praticante Zen e , conheço profundamente os dois lados da moeda, costurei meus Rakusu's, Zen, e recebi o Gohonzon, BSGI. O Extenso Texto não é 100 % para nenhum dos lados. Só conhece exatamente o que é Zen e aqueles que o praticam profundamente. Sou Budista, fui educado no Catolicismo onde permaneci mais de 40 anos, até que fizesse minha escolha. Logo, que cada um abrace a sua fé e seja feliz, visto que não devemos impingir nossa crença nos outros. Quem quiser saber exatamente o que é , independente de qual seja, que o pratique longo tempo, tire suas próprias conclusões e não acredite em nada apenas que foi dito ou escrito. Descubra praticando em essência. _/\_
 
Gostei bastante do post pois se mostra bem imparcial.
Estou pesquisando sobre a Soka Gakkai pois estou começando a frequentar e estou gostando, mas tenho lido denúncias terríveis sobre uma seita oriental (não ligada ao Budismo, seria a Mahikari).

Já li criticas ferozes contra esta linhagem do Budismo, e defesas de certa forma convincentes também.

A conclusão que chego, enfim, é que podemos frequentar o Soka Gakkai porém mantendo em mente que jamais pode se submeter a qualquer tipod e doutrina, seja relacionada a alguma crença, os próprios princípios ou a questões financeiras, ser induzido forçosamente a realizar alguma contribuição.

Ou seja, usufruir dos ensinamentos que parecerem saudáveis, verdadeiros e dentro da essência do Budismo, realizar doações desde que sejam coerentes com sua condição e relevância e estar semrpe atento para que não ocorra o que se vê em diversas religiões: o fanatismo tomando a frente de sua consciência e de sua relação consigo mesmo.

Gostaria de saber se o autor deste post pode me esclarecer sobre o Budismo Tibetano, que me parece mais pertiférico a polêmicas e ausente de denúncias ou parcialidades.

Abaixo, uam denúncia que me parece muito mais emocional do que fundamentada:

http://seitabsgi.blogspot.com.br/2010/02/mais-definicoes-do-que-e-soka-gakkai.html

Abraços
 
Gostei bastante do post pois se mostra bem imparcial.
Estou pesquisando sobre a Soka Gakkai pois estou começando a frequentar e estou gostando, mas tenho lido denúncias terríveis sobre uma seita oriental (não ligada ao Budismo, seria a Mahikari).

Já li criticas ferozes contra esta linhagem do Budismo, e defesas de certa forma convincentes também.

A conclusão que chego, enfim, é que podemos frequentar o Soka Gakkai porém mantendo em mente que jamais pode se submeter a qualquer tipod e doutrina, seja relacionada a alguma crença, os próprios princípios ou a questões financeiras, ser induzido forçosamente a realizar alguma contribuição.

Ou seja, usufruir dos ensinamentos que parecerem saudáveis, verdadeiros e dentro da essência do Budismo, realizar doações desde que sejam coerentes com sua condição e relevância e estar semrpe atento para que não ocorra o que se vê em diversas religiões: o fanatismo tomando a frente de sua consciência e de sua relação consigo mesmo.

Gostaria de saber se o autor deste post pode me esclarecer sobre o Budismo Tibetano, que me parece mais pertiférico a polêmicas e ausente de denúncias ou parcialidades.

Abaixo, uam denúncia que me parece muito mais emocional do que fundamentada:

http://seitabsgi.blogspot.com.br/2010/02/mais-definicoes-do-que-e-soka-gakkai.html

Abraços
 
Sou um praticante recente do Soka Gakkai e estou buscando conhecimento sobre o Budismo, tanto sua história e sua essência, quanto o que propõe para o dia-a-dia das pessoas, aquelas que pretendem conquistar um maior equilíbrio.
Eu gostei bastante das pessoas do grupo e dos ensinamentos nas reuniões, o racionalismo, a ciência e o fluxo de energia são um conjunto que me agrada bastante na compreensão de si próprio e dos caminhos que levam ao bem-estar.
Acredito também que não haja nenhum problema de o Soka Gakkai defender seus princípios e forma de conduzir sua filosofia no sentido de defendê-la.

Mas há coisas que me perturbam um pouco.

Primeiro, que acho a sede da BSGI em SP um pouco exagerada em sua suntuosidade, tamanho, acabamento e imponência.
Os membros argumentam que serve para "receber bem" seus membros e discípulos do exterior.
Mas receber ber, para mim, é acolher, ser generoso no tratamento, cordial etc., e não com um prédio de 15 andares revestido de granito e mármores. E são dois, um em frente o outro. Mas enfim, deixei isso de lado e iniciei no BSGI.

Então comecei a perceber que o foco do grupo é no Soka Gakkai, no presidente e nos discípulos, quando na minha opinião deveria ser nas pessoas, em sua evolução, transformação, no conhecimento e bem-estar.
Há bastante auto-promoção, como marca, como o único caminho ao Estado de Buda.

O outro ponto é a obsessão pela divulgação da entidade. Há pessoas que vão às ruas com folhetos levar alguns ensinamentos às pessoas convidando-as a visitar o templo.
Eu acredito que quando a proposta é benéfica realmente, não há necessidade desta frenética propagação.

Estas duas últimas situações me remetem exatamente ao aspecto evangélico, do culto, da propagação exacerbada, do foco na valorização da seita e não no conhecimento, no ensinamento.
Tenho me sentido melhor depois de iniciar as reuniões, mas me incomoda bastante estas imposições, este "auto-isolamento" a que o BSGI se propõe, em relação a outras formas de pensar, de outras linhagens.

Por fim, eu faltei em algumas reuniões, e quando voltei, no meio da reunião, foi solicitado que eu me retirasse e me levaram a uma sala onde haveria apresentações de pessoas que fizeram depoimentos de como o Daimoku foi benéfico em suas vidas, como as transformaram, como conseguiram ganhar dinheiro e serem felizes.
Ou seja, "volte lá e se convença, e depois vc volta", sem que ninguém tenha me procurado para esclarecer qualquer coisa. Fiquei bastante confuso com isso, me pareceu por alguns instantes algo bastante controlador e arbitrário.

Eu tinha outra idéia do Budismo, algo simples em questões materiais (ainda que seja, claro, valorizada a estabilidade financeira), e simples na forma de trazer o conhecimento, com foco direto no bem-estar das pessoas de uma forma geral.
Afinal, qual a importância de palavras, nomes e o local onde está, se o que importa mesmo é ganharmos conhecimento e equilíbrio?

Resumindo, para não haver más interpretações, eu gostei bastante das reuniões quando o foco era no ensinamento, e até o daimoku me fez bem também e as pessoas são bacanas e do bem.
Mas o que eu jamais poderia aceitar é um grupo me controlando sobre o que devo pensar e fazer, e em nenhum momento me sentir desrespeitado ou estar em um ambiente onde não se respeita outras linhagens do Budismo, ou qualquer outra filosofia ou religião, o que ocasiona inclusive muita guerra e discórdia no mundo.

Abraços
 
Acho que ninguém é capaz de entender completamente uma religião sem estudar profundamente sobre ela e seguir e praticar fielmente pra entender em sua própria vida seu funcionamento.

A SGI é uma organização que foi criada com um lindo propósito que é a paz mundial. O daimoku não é um mantra pra se atingir sucesso financeiro, mas pra se atingir a vitória quanto aos sofrimentos da vida, pra se alcançar uma grande paz espiritual que chamamos de "felicidade".

Tentem não se prender a preconceitos, se realmente acham que devemos respeitar todas as religiões, então não importa o que você pratique, desde que seu coração esteja no lugar certo e que você contribua 100% para um mundo melhor.
 
Eu Pratico o budismo de nichiren Daishonin e não considero normal a s pessoas chamarem o budismo de Nichiren de budismo evangelico.
 
Obrigado pelo belo esclarecimento. Que maravilha, estou maravilhado, encantado, perfeito! Até nas discussões os budistas parecem que não são desse mundo. Eu vivi em igreja evangélica, minha mãe era da Assembléia de Deus e meu pai era católico. Presensiva as relações, as divergências, o nível de agressividade nas alturas. Os post de divergências regiliosas não são como esse aqui comentado. Não importa a escola, o budismo é respeito a dignidade da vida. Moro hoje numa cidade chamada JUAZEIRO DO NORTE-CE, terra do Padre Cícero Romão, famoso, que traz de outras regiões cerca de 3 milhões de fieis por ano. Ele viveu aqui, há cerca de 100anos e é considerado "santo" "milagreiro". Mesmo assim respeito a crença dessas pessoas, posso eu considerar eles de "alienados"? Será que o grau de compreensão dessas pessoas só consegue ter aceesso a esse tipo de conhecimento? Será que houve coação moral na construção desse conhecimento teológico ao longo da formação delas? Aqui na região só existe grupos formados ligados BSGI, existem apenas duas pessoas que praticam solitariamente o budismo tibetano e outro o ZEN. Acredito no cenário e no contexto. Atualmente me encaixo melhor no Budismo Nitiren. Mas, o importante é está em alguma escola budismo aquelas pessoas que conseguem compreender o que há de essencial no budismo. É libertador, é encantador, pretendo vizitar todos os templos e conhecer todas as escolas um dia. Tenho um grupo no Whatzap chamado BUDISMO DA FELICIDADE: 88-9908-0229, lá é um ótimo espaço pra dialogar a respeito.
Forte Abraço!!
 
Oi, Paulo:
venho agradecer por você usar sua inteligência e habilidade musical para nos presentear com estes ensinamentos, e a harmonia do seu som. Informo que gostaria de ver a REVISTA HORIZONTE, mas digitei o endereço do 4shared que você indicou e não encontrei nada de você por lá.

***Paulo, eu moro em Lins e tive a felicidade de conhecer o Monge Ibaragui.
Ele deve ter plantado uma semente de flor de lótus em meu coração, pois faz mais de 60 anos quando falei com ele (1950/51/52) e somente agora, faz uns 4 anos passei a estudar o budismo Primordial. Renovo agradecimentos e se você tiver algo que me ajude no estudo do budismo (além desta ótima página, naturalmente) e puder, me envie por e-mail. Forte abraço, amigo.

antoniocarlos.aleph3@gmail.com
 
Fui por 26 anos budista Nitiren antes Nitiren Shoshu, hoje sou evangélico, la eu comecei ver o que é Escrituras e hoje sou Bel. em Teologia Evangélico
É sempre bom ser bem informado so tenho agradecer o que aprendia com muitos Daimoku, era chefe de Distrito eu e minha esposa
 
Ola,gostei do texto, acredito que quando esclarecidas a visão muda. o Budismo Nitiren da SGI com o tempo evoluiu muito, acredito que quando se aseia na propagação, fazer com que as pessoas se tornem felizes, divulgem uma filosofia que pode mudar a vida. A paz mundial tem que ser objetivada, por isso tem uma passagem que diz "siga a lei e não as pessoas", as pessoas falha, cobram, assim como ha as que agem de acordo com a lei, estou na BSGI desde 1998 vi pessoas mudarem de opinião, decaírem simplesmente por seguir o que dizem e não a lei, em qualquer linhagem há lideres que fazem boas ou má interpretação, mas me vi no caminho que me direcionou pra felicidade quando coloque no meu coração que tudo parte e volta á mim e não importa o que dizem se isso o prejudica e sim o que importa é o conhecimento que se tem daquilo e ciente que o objetivo é a felicidade.
 
Vc descreveu precisamente a nossa missão! apoio na integra suas palavras.
 
Estou apenas engatinhando no longo caminho budista, nem havia me dado conta das divergências entre as mais diversas linhagens.
Gostei do "direito de resposta" e da explanação, me senti feliz por tudo ser colocado de forma clara e sincera, exatamente da forma que para mim é o budismo.

Parabéns a todos e obrigado.
 
Bom quando conheci o budismo eu era praticante de yoga um estilo de yoga com 30 minutos de meditação antes e 30 minutos depois das aulas,confesso que tinha muita dificuldade no começo com a meditação mas depois de uns 2 meses fazendo aulas 2x por semana a meditação se tornou uma coisa tranquila pra mim e de certo modo fácil e que me ajudava muito.Nessa época era também praticante de uma arte marcial chamada AIKIDO que tem raízes xintoístas,mas sempre por algum motivo eu desejava conhecer o budismo como forma de me aprofundar ainda mais na meditação.Um dia perguntei para meu professor de AIKIDO se ele conhecia alguém e ele disse sim me apresentando um aluno mais velho o qual para minha surpresa era uma pessoa que admirava muito pela sua postura sempre pacifica e nobre,pois bem ele me apresentou ao budismo da BSGI,me decepcionei na hora pois não havia meditação mas para não contraria-lo por ser uma boa pessoa fui em uma reunião de palestra onde se contou a historia do budismo sobre SHAKYAMUNI e depois NITIREN DAISHONIN, depois recitamos um trecho do sutra de lotus e 1 hora de Daimoku.Não sei o que aconteceu mas depois dessa hora de Daimoku eu me senti como se tivesse meditado por horas ou até dias tamanho o impacto que me causou sigo o budismo Nitiren até hj o que quer dizer 14 anos.Quando falamos que SHAKYAMUNI é o buda histórico é porque ele é o buda que está na história é só digitar buda na net que aparecerá o nome do príncipe Siddharta Gautama e não porque achamos que Nitiren foi superior a ele ou coisa parecida.Nunca vi ninguém da BSGI entregar panfletos ou ir de porta em porta para pregar o budismo e nem falar mal de qualquer outra religião ou corrente do budismo,pode acontecer pode mas é uma coisa isolada das pessoas pois são seres humanos que tem o direito de errar e sim NITIREN DAISHONIN foi um buda e eu também sou um buda porque todos nós somos budas.Quando me perguntam o que precisa para ser budista eu costumo dizer em primeiro lugar SORTE muita SORTE.NAM MYOHO RENGUE KYO
 

Pratico e consequentemente estudo o budismo de Nitiren Daishonin a 33 anos e o que pude
constatar nesse artigo e comentarios, foi a total iguinorancia sobre os ensinos budis -
tas e principalmente da profunda filosofia de Nitiren.

 
Prezado Sampaio. Este artigo teve a preciosa participação do Monge Hakuan, seguidor de Nitiren, Gatukô (auxiliar sacerdotal) da Escola Honmon Butsuryu Shu, que considera Nitiren (que ele escreve Nichiren) como um grande mestre. Então, creio ser um texto bem fundamentado.
 
Assisti um filme do Ryuho Okawa e gostei da maneira como abordaram todo o Budismo Nithiren. Sou da Bsgi. Gostaria de saber se a revista ainda é editada.
 
RicardoGP,, a revista terminou no número 29 e não é mais editada.
 
Contou-me um praticante da SGI – Soka Gakkai International que a intransigência de sua linhagem era em função da estreita ligação com a ex-radical Nichiren Shoshu, mas que, desde 2001, estão devidamente separadas, autônomas e independentes e que a Soka está cada vez mais light.

Essa afirmação está incorreta pois o partido político foi feito muitos anos depois da separação da SGI da Nichiren Shoshu. Quem criou o partido foi o presidente Daisaku Ikeda da SGI e não a Nichiren Shoshu. Muitos dos atos feitos na época após o desligamento da SGI foram feitas única e exclusivamente a mando de Daisaku Ikeda. Nichiren Shoshu não teve decisões nem participações nas decisões tomadas pela SGI. E lembrando que foram as intransigências da SGI que levaram a Nichiren Shoshu desligar eles exatamente por serem radicais demais, depois que alcançaram o objetivo de estarem no poder político no Japão e com uma quantidade de adeptos muito grande ao redor do mundo aí ficaram mais light e deixaram de serem radicais. A data do desligamento não foi em 2001 e sim em 1993.

 
OLAH UMA BOA TARDE A TODOS, LI NA INTEGRA TODAS AS OPINIOES E COMENTARIOS, GOSTEI, CONCORDANDO COM MUITAS COISA QUE LI. MAIS DEVIDO A PRATICAR O BUDISMO NITIREN A MAIS
DE VINTE E SETE ANOS, APRENDI MUITO SOBRE RELAÇOES CAUSAIS CITADAS NO BUDISMO, E COM
OPINIAO PROPRIA QUE EH CONDENADA NA BSGI, EU POSSO AFIRMAR QUE MUITAS COISAS SAO VERDADEIRAS. POSTURAS DE DIRIGENTES RADICAIS, MENTIRAS SOBRE BENEFICIOS MAU INTERPLETADAS; EXEMPLO FIZ DAIMOKU E TRANSFORMEI MEU CARMA FINANCEIRO; FIZ DAIMOKU E
ENCONTREI UM BOM EMPREGO E ETC.
ENTAO AMIGOS MEU DAIMOKU NAO EH MENOS FERVOROSO DO QUE DESTAS PESSOAS, SE NAO TIVERMOS
CAPACIDADE PROFICIONAL NAO IREMOS ENCONTRAR UM BOM EMPREGO.
E SE NAO GANHARMOS UM BOM PREMIO SEI LA NO QUE SE APOSTA, FINACEIRO NAO CAI DO CEU.
ENTAO EU LHES DIGO DAIMOKU OU A RECITAÇAO DO NAM MYOHO RENGUE KYO EH PARA ATINGIR A FELICIDADE E SER UM EXELENTE SER HUMANO DEPENDENDO DE SER RICO OU POBRE, OU ATEH MESMO ESTAR DOENTE OU SAUDAVEL; POR QUE EH ENSINADO NO BUDISMO QUE NINGUEM ESCAPA DOS SOFRIMENTOS DE NASCIMENTO, DOENÇA, VELHICE OU A MORTE. ENTAO PRATIQUE SEM ENTERECES MATERIAS OU VANTAGENS. PORTANTO SE ALGUN DIRIGENTE PERGUNTAR VC,S ESTAO RECEBENDO BENEFICIOS ? NAO TENHAO VERGONHA DE FALAR A VERDADE. PORQUE NA VIDA EXISTEM ALTOS E BAIXOS E A ESSENCIA DA FELICIDADE EH ESTAR EM PERFEITA HARMONIA COM ESSES FENOMENOS.
SE ELE INSISTIR EM INSULTALOS DISENDO HA ENTAO VC.S NAO ESTAO FAZENDO DAIMOKU OU A PRATICA, REPREENDA ESSE DIRIGENTE, POIS ESSE SIM ESTA COPIANDO RELIGIOES EVANGELICAS DO MAL, PORQUE ESSA PRATRICA EH COMUN POR LAH. OBRIGADO DESCULPEM-ME SOU UM PRATICANTE LIVRE DE ACORDO COM AS LEIS DO MEU PAIS BRASIL.
 
É isso aí, Aldemir! Concordo plenamente com VC. Culpar o outro desta forma não é compassivo, nem budista. É chamá-lo de "merda" por tabela, desculpe a expressão. Líderes assim, de qualquer religião, fazem um desserviço à humanidade e à sua própria denominação. Sarva Mangalam!
 
Paulo Stekel, fiz recentemente umas perguntas inquisitórias ao Bonzo Chefe da NICHIREN SHOSHU no Brasil. Tenho um BLOG bastante lido no Brasil e no mundo, inclusive CHINA e JAPÃO < www.frnbao.blogspot.com>. Acredito que o Estudo do Budismo poderia ser simplificado e as divergências entre NICHIREN SHOSHU, NICHIREN SHU e SOKA GAKKAI é mais por vaidade e status financeiro do que religioso. Desde que o Budista admita que o Patriarca do Ensino é o Buda SAKYAMUNI. Terá que entender que no Sutra Muryogui e LÓTUS ele mandou abandonar todos os Sutras anteriores.(Isso para quem deseja atingir o Estado de Buda nesta existência). Foi o que NICHIREN DAISHONIN seguiu. Partindo dessa afirmação do Buda SAKYAMUNI, todos os demais Sutras caem no grau de ENSINOS PROVISÓRIOS. Isso não é motivo para as graves divergências que há entre as ESCOLAS. As provas que NICHIREN DAISHONIN deu ao ser chamado em MAGADHA (Bodhisattva de Práticas Superiores) é de um Buda Provisório. Um Buda nuca chama outro Buda de Bodhisattva. Mas, essa discussão só valoriza o NAM-MYOHO-RENGE-KYO - MiAO-FA-LIEN-HUA-CHING - SADDHARMA-PUNDARIKA-SUTRA.
 
Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?